Próximo Jogo


21.09 vs 18h

sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Os cojones de Marco Silva

Mais um empate, desta feita na UEFA Champions League, que deixa à vista os óbvios problemas desta equipa, para além da tão falada eficácia na finalização (mais uma vez, rematou-se muito, nem sempre bem, e continua-se com o parco registo de 1 golo/jogo).

Começando de trás para a frente - como sempre li que as equipas se constroem, e exceptuando Rui Patrício (que continua a desmentir muitos dos seus embirrentos detractores), é notório que Maurício e Naby Sarr são incompatíveis, não sendo nenhum dos dois nem tão bons nem tão maus como, por vezes se quer pintar. A presença simultânea de ambos traz à tona o pior de cada um, como se viu na Eslovénia, ante o NK Maribor (e já se tinha visto noutros jogos, antes). Havendo Paulo Oliveira, Tobias Figueiredo e Ramy Rabia (embora este esteja, ainda, a recuperar de lesão), não seria de excluir a possibilidade de qualquer um deles substituir um dos actuais titulares - a meu ver, manteria Naby Sarr e substituiria Maurício.

Ainda no sector defensivo, Jefferson continua a denotar pouca capacidade defensiva, o que não é novidade mas que se tem agudizado, cada vez que encontra alas um bocadinho mais perigosos pela frente. No próximo Domingo, além da inclusão de Jonathan Silva (por obrigação, face ao castigo de lateral brasileiro), espero uma alteração no centro da defesa também - apesar das notícias indicarem o contrário. Quanto ao lateral-direito, para já e pelo que tem demonstrado, Ricardo Esgaio merece a titularidade, quanto a mim.

No sector intermédio é igualmente claro que nenhum dos intérpretes está em boa forma, quer física quer competitiva, desde um oscilante William Carvalho, passando por um erróneo Adrien Silva e um (demasiadas vezes) inexistente André Martins. Gostaria de ver André Martins executar a posição e as funções de Adrien Silva, tirando-o do 11 titular e incluindo João Mário. Essencialmente pelo aumento da qualidade com bola, leia-se...

Na frente de ataque não há muito por que mudar, além da eterna discussão de quem deve ser o ponta-de-lança titular. Declarando, desde já, a minha preferência por Fredy Montero (continuo a achar que o colombiano tem muito mais a emprestar ao colectivo, neste sistema de jogo, e de acordo com aquelas que me parecem ser as ideias de Marco Silva), cinco jogos - dois com o colombiano e três com o argelino - deveriam ser suficientes para constatar que o problema da eficácia não está tanto no jogador titular nesta posição mas, antes, em todo o processo ofensivo colectivo.

Assim sendo, deixo aquele que seria o meu 11 para o próximo jogo:

Resta saber o que fará Marco Silva, se é que mudará algo já para o próximo jogo. Se é verdade que o treinador não pode ser responsabilizado pelos erros individuais da equipa - e que são fruto das decisões dos próprios jogadores, e não do técnico - também não é menos verdade que é Marco Silva quem tem a autoridade para escolher, em consciência, aqueles que considera desempenharem melhor as suas funções. É preciso pulso, arrojo e capacidade para mudar, ao invés de se escudar por detrás do conservadorismo. Veremos se Marco Silva é capaz...

quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Liga dos milhões ou das desilusões?

No futebol tudo é possível mas, tendo em conta esta primeira jornada, o futuro do Sporting CP na Champions League começa a complicar-se sobremaneira. Perder pontos contra a equipa mais fraca do grupo é quase assinar a sentença de morte, no que à passagem aos Oitavos-de-Final diz respeito. 

Relativamente ao jogo, é quase impossível diferenciar esta exibição das restantes já realizadas para o campeonato português, portanto as ilações retiradas são praticamente (e infelizmente) as mesmas. Defensivamente as mesmíssimas dificuldades: a falta de qualidade técnica e táctica da linha defensiva foi mais uma vez evidente. Ofensivamente, e apesar da facilidade em criar situações de finalização, a mesma falta de critério na definição dos lances e o mesmo exagero na utilização dos corredores laterais como meio para chegar à baliza adversária. 

Apesar de tudo, é para mim claro que a culpa deste empate se deve muito mais a erros individuais que a erros coletivos. 

Vamos por partes: 
  • Erros de Marco Silva 
Começando pelo 11 inicial, é impossível não apontar o dedo ao treinador leonino: desde jogadores sem qualquer qualidade - como Maurício - a jogadores que pouco acrescentam  - como Jefferson, Adrien Silva, André Martins ou Islam Slimani (muito por culpa da zona onde joga que, no entanto, também é responsabilidade do treinador) - o 11 inicial denota falta de "pulso". Talvez o treinador deva olhar menos para o estatuto e mais para o rendimento dos jogadores. 

O maior erro que aponto a Marco Silva é a distância com que os jogadores do meio campo para a frente atuam uns dos outros, e em como isso influencia a conclusão dos lances. Exemplo: bola no corredor lateral, o lateral com bola e o extremo como apoio próximo mas o resto dos jogadores demasiado afastados dessa zona, pelo que o lance se desenrola quase sempre com combinações entre os dois e termina com cruzamentos para a área. Incrível a forma como se desaproveita a qualidade de André Martins, pedindo-lhe que receba quase sempre de costas para a baliza. 

Foi evidente o que aconteceu na 2ª-parte, já com João Mário em campo. Mais recuado, conseguiu marcar melhor o ritmo do ataque e fazer entrar a bola com critério (muito superior a Adrien Silva na construção). Será que o treinador viu que quanto mais próximos estiverem os jogadores melhor se controla o jogo? 

Coletivamente não tem culpa na enorme desorganização que é a linha defensiva. É impossível um treinador ensinar todos os comportamentos defensivos, em tão pouco tempo - e digo mesmo todos porque quer o já citado Maurício quer Naby Sarr não sabem nada de comportamentos defensivos. Não vale a pena repetir-me. O que a dupla de centrais leonina ontem fez, foi o que fez nos restantes jogos já realizados, por isso basta consultar os posts anteriores.  
  • Erros individuais 
Foram tantos erros e tão notórios que este ponto no meu post seria, talvez, escusado mas, dado que há quem não saiba discernir um erro individual de um erro colectivo, darei alguns exemplos:
    • Sporting CP em vantagem, Adrien Silva com posse de bola no meio campo ofensivo. Tem jogadores em cobertura mas opta por não passar a bola, até que a perde e expõe a equipa defensivamente. Alguém pode acusar o treinador num lance destes? Alguém pode acusar o treinador de não saber gerir uma vantagem no marcador?
    • André Carrillo, isolado, falha só com o Guarda-Redes pela frente, após uma boa jogada pelo corredor central, em que Islam Slimani serviu de apoio. Culpa de quem? Certamente que não do treinador.
No lance do golo do empate nem vale a pena explicar o porque de não ser um erro colectivo. É óbvio demais. 

O treinador tem como dever dotar os seus jogadores das melhores ferramentas para que eles tenham sucesso, e só sobre isso pode ser responsabilizado. Pode - e deve - criticar-se os comportamentos colectivos que são responsabilidade do treinador mas, primeiro, deve saber-se diferenciar o que é um erro colectivo de um individual. É por haver esta falta de conhecimento, em relação à culpabilidade dos erros, que há gente que compara este Sporting CP com o do início da época passada, dizendo que estamos piores por culpa do treinador quando, na verdade, os comportamentos colectivos são iguais ou até melhores.  

Em suma, parece-me por demais óbvio que, apesar de todas as debilidades colectivas que o Sporting CP ainda apresenta, se não fossem os erros individuais tínhamos ganho, não só o jogo de ontem como o da 1ª jornada frente à Assoc. Académica de Coimbra e da 4ª jornada frente ao CF "Os Belenenses". Exceptuando as escolhas de Marco Silva para o 11 inicial, os princípios colectivos estão lá todos, haja o bom-senso de reformular as peças de forma a que a equipa renda mais colectivamente, retirando mais de cada uma das individualidades. Afinal de contas, um treinador não pode - nem deve - ser responsabilizado por erros que só dizem respeito à decisão individual de cada um dos jogadores, em determinados momentos do jogo.

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Leões entram em falso na Champions (empate,1-1, em Maribor): Superioridade leonina foi evidente, mas a alergia aos golos continua; centrais desperdiçaram vantagem ao cair do pano

Árbitro
Clément Turpin

Assistência
12 150

Média de Espectadores Fora de Alvalade
31 025

Titulares: Rui Patrício (cap.); Cédric Soares, Maurício, Naby Sarr e Jefferson; William Carvalho, Adrien Silva e André Martins; André Carrillo, Nani e Islam Slimani.
Suplentes: Marcelo Boeck; Ricardo Esgaio e Paulo Oliveira; João Mário; Diego Capel e Carlos Mané; Fredy Montero.
Fora da Ficha de Jogo: Jonathan Silva, Oriol Rosell e Junya Tanaka.
Treinador: Marco Silva.

Golos:
  • 80' - GOLO de Nani (0-1). Nani recebe a bola no flanco direito, flecte para o centro, simula sobre um adversário e remata de pé esquerdo, cruzado, para o fundo das rede. Jasmin Handanovič nada podia fazer para evitar o primeiro golo da partida, a dez minutos do apito final. É a estreia de Nani a marcar com a camisola verde-e-branca em 2014/15.
  • 90' + 2 - Golo de Luka Zahovič (1-1). Erro monumental da dupla de centrais do Sporting CP. Pontapé longo da defesa eslovena, Naby Sarr cabeceia mal e Maurício faz uma rosca para trás, com Luka Zahovič a aproveitar para fazer o chapéu, de cabeça, a Rui Patrício.
Substituições:
  • 46' - Entra João Mário, sai André Martins
  • 66' - Entra Carlos Mané, sai André Carrillo
  • 90' + 2 - Entra Fredy Montero, sai Islam Slimani.
Disciplina:
  • 42' - Cartão amarelo para Maurício. Por falta sobre Sintayehu Sallalich.

Formação: Equipa B perde em Chaves | Juniores leoninos entram a vencer na Youth League

  • Equipa B (Segunda Liga
Em jogo da Jornada 7 da Segunda Liga Portuguesa 2014/15, a Equipa B do Sporting CP deslocou-se a Chaves com o intuito de derrotar a equipa local.

No entanto, o jogo começou mal para os jogadores leoninos, que aos 7 minutos já perdiam por 2-0, com golos de Luís Pinto e Issoko. O Sporting B reagiu, teve algumas oportunidades e conseguiu reduzir para 2-1 por Salim Cissé (32').

O golo deu alento à equipa que procurou sempre o empate, mas foi o Grupo Desportivo de Chaves que voltou a marcar, já na segunda-parte, por Hugo Santos (61'). Até final o Sporting B não desistiu e ainda voltou a marcar por Francisco Geraldes, mas insuficiente para pontuar. Com este resultado, o Sporting B fica em 9º lugar, com 10 pontos.

Na próxima jornada, os leões recebem a formação do SC Freamunde, em partida agendada para as 16h do próximo dia 22, Segunda-feira.

  • Juniores (UEFA Youth League)
Excelente início da equipa júnior leonina na UEFA Youth League.

Em Maribor, a formação verde-e-branca venceu o conjunto da casa por 1-3, com um golo de José Postiga aos 30 minutos - na conversão de uma grande penalidade - e outro de José Correia ao minuto 76, aproveitando da melhor maneira uma bola perdida no interior da área eslovena. Lorbek reduziu três minutos depois, também de grande penalidade, não sendo suficiente para evitar a conquista dos três pontos por parte do Sporting CP que, já depois dos 90, aumentou para 1-3 por intermédio de Elói, após isolar-se num ataque rápido.

Os comandados de José Lima apresentaram-se a excelente nível e com o controlo total do encontro, perante um NK Maribor praticamente inofensivo. De realçar a grande serenidade do combinado de Alvalade na estreia europeia, perante um estádio completamente cheio, com cerca de dois mil espectadores.

Apesar da justiça do resultado, os números acabam por ser pequenos tendo em conta o futebol produzido e as oportunidades criadas pela formação de Alvalade. A primeira parte da missão leonina na Eslovénia concluiu-se com êxito, esperando-se que seja um bom pronúncio para a partida da equipa principal.

Na próxima jornada dfa UEFA Youth League, os leões recebem o Chelsea FC, em jogo agendado para as 15h do próximo dia 30. No próximo Sábado, pelas 17h, há derby para o Campeonato Nacional (1ª Fase - Zona Sul), pelas 17h.

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

Virar a Leste


Fechada a 4ª Jornada da Primeira Liga, o saldo não se pode considerar positivo: 1 vitória e 3 empates (4 golos marcados e 3 sofridos), 6 pontos - menos 4 que o(s) líder(es). Quais os motivos?

Para além de tudo o que possa ser apontado a esta equipa, técnico-tacticamente, há um factor que salta à vista: a falta de eficácia no momento da finalização. Perante a ineficácia de Fredy Montero, nas duas primeiras jornadas, e apesar da eficiência do mesmo perante o jogo colectivo, Islam Slimani "conquistou" a titularidade nas duas jornadas seguintes. Apesar de ter assinado um golo, ante SL Benfica, os níveis de eficácia continuam parcos. Falta apenas testar o japonês Junya Tanaka a titular (no mesmo sistema táctico), ou enveredar por uma mudância de estratégia que englobe a presença de dois avançados, um mais fixo e outro mais móvel.

Não me pretendendo imiscuir (ou sequer fazer-me de entendido na matéria), estaria inclinado a enveredar pela segunda hipótese, até pela minha preferência de longa data por sistemas de jogo que englobem 2 avançados. Julgo que a presença de mais jogadores - e mais familiarizados com a baliza - no último terço poderia trazer mais golos, sendo igualmente certo que o futebol está longe de ser uma ciência exacta e que a simples presença de mais jogadores não significa forçosamente uma relação de causa/efeito.

No sector intermédio, parece-me que Adrien Silva está longe daquilo a que nos habituou na época transacta e, tendo em conta a preponderância do médio relativamente ao jogo colectivo, talvez fosse mais eficiente deixá-lo descansar, "baixando" André Martins para a posição de Adrien Silva, entrando um outro médio (João Mário, Carlos Mané, até o próprio Nani - sendo que esta última opção causaria perda de qualidade numa das alas). William Carvalho está também ainda fora de forma mas, tendo em conta a comparação com Oriol Rosell - capaz, mas diferente -, é de manter.

No sector defensivo, e para além de um Jefferson irreconhecível, a dupla de centrais não ajuda muito: Maurício e Naby Sarr são ambos demasiado lentos, o que cria problemas aquando de transições ofensivas rápidas por parte dos adversários. Posso estar redondamente enganado - e oxalá que sim - mas parece-me que esta é uma dupla que não resultará. Havendo Tobias Figueiredo (ao serviço da Equipa B), que me parece a solução mais fiável, e ainda Paulo Oliveira ou Ramy Rabia (actualmente a recuperar de lesão), não seria de todo descabido pensar numa outra dupla, mais dinâmica.

Finalmente, Rui Patrício: Parece só se evidenciar quando a equipa está pior (quando a equipa está melhor, é mais fácil apontar-lhe as falhas, não é?). Ainda assim, é notória a grande qualidade do internacional português, defendendo os parcos pontos conquistados pela equipa, até agora. Aguardo (im)pacientemente por esse reconhecimento, por parte de alguns (poucos, felizmente) que, por mais que atestem o contrário, nunca conseguiram ultrapassar aquele que eu chamo o estigma de Stojkovic.

A Marco Silva, por ora, só consigo criticar o tom monocórdico e a substância do pouco que diz. Com certeza, estará tão ou menos contente que eu em relação aos defeitos da equipa, mas expressa-o de tal forma que parece que nada o afecta. É um preciosismo, eu sei... O que sei, de facto, é que Marco Silva não merece metade das críticas que lhe têm sido feitas nos últimos dois dias, incluindo comparações infelizes com outros treinadores menos felizes, pseudo-exigências de demissão, até ao regresso de (...) Leonardo Jardim!

De resto, digo-o sem qualquer pejo: jogamos imensamente mais com Marco Silva que aquilo que jogávamos com Leonardo Jardim (não querendo atribuir méritos ou deméritos exagerados a nenhum deles). A diferença-mor no desempenho execibional é clara, tão óbvia quanto a constatação que a esta equipa falta apenas uma coisa: golos!

Oxalá surjam já na próxima Quarta-feira, na Eslovénia, ante o NK Maribor, na jornada inaugural do Grupo G da UEFA Champions League, com tudo o que significaria, desportiva e até financeiramente.

domingo, 14 de Setembro de 2014

Só Nani não chega

E aí vão 6 pontos perdidos em apenas 4 jornadas. Tendo por base o reduzido número de pontos que os rivais costumam perder, e apesar de ainda faltarem disputar muitos jogos, o fosso para os rivais começa a ser demasiado grande e a pressão dos próximos jogos será maior do que se previa, nesta fase tão inicial.  Foi clara a superioridade do Sporting CP e a injustiça no resultado - pelo caudal ofensivo, que foi visível, mas também foram por demais evidentes as lacunas coletcivas e individuais que o conjunto leonino apresenta.

Colectivamente, o que me deixa mais preocupado neste Sporting CP - e por mais estranho que pareça - é a organização ofensiva: um processo ofensivo que depende muito de "rasgos" individuais para conseguir desequilibrar a estrutura defensiva do adversário. Também a definição dos lances continua a ser preocupante: embora ontem se tenham verificado bons movimentos interiores (mas - lá está - fruto de rasgos individuais, principalmente de Nani), prevaleceu abuso pelos cruzamentos, quase todos sem critério e mal executados. Mesmo contando com Islam Slimani na área, foi evidente que se a principal definição dos lances for através de cruzamentos vamos ter muitas dificuldades em criar situações de finalização.

Ainda no processo ofensivo, mas numa fase mais recuada, a de construção, a incapacidade dos defesas em sair a jogar com qualidade; ontem, foram várias as situações em que Maurício dispôs de espaço para progredir, fixar algum adversário e entrar a bola mas nunca ou quase nunca o fez com qualidade. Naby Sarr, apesar de descobrir algumas soluções interessantes através do passe, também é muito limitado neste aspecto.

Com os jogadores que Marco Silva dispõe no plantel, ao nível do meio campo e ataque, torna-se praticamente obrigatório jogar outro tipo de futebol. Um futebol mais apoiado e menos dependente das individualidades. Um futebol com mais combinações interiores e menos cruzamentos sem sentido. Há Carlos Mané, há Nani, há Fredy Montero, por isso não há desculpa para não evoluir, no sentido de criar mais (e melhor) pelo corredor central.

Defensivamente, a "deslinha" defensiva do Sporting CP: completa desorganização e descoordenação da última linha, principalmente no eixo central. Maurício e  Naby Sarr não sabem nada de posicionamentos defensivos, raramente se encontram na mesma linha e é extremamente fácil arrastar qualquer um deles para onde quer que seja. Com eles não se pode defender à zona, dado que perseguem os avançados para todo o lado. Muito trabalho terá ainda pela frente Marco Silva, para incutir alguns princípios a ambos. Até lá, é previsível que os erros se vão acumulando.

Relativamente às individualidades:
  • Rui Patrício
    Mais uma vez a mostrar toda a qualidade que tem. Infelizmente ainda há Sportinguistas sem o QI futebolístico necessário para perceber o enorme guarda-redes que temos;
  • William Carvalho
    Com mais liberdade para sair do seu raio de acção, mas ainda longe do nível de excelência a que nos habituou, principalmente ao nível do passe;
  • Adrien Silva
    Jogo péssimo. Demasiados passes errados, más decisões e lentidão para soltar a bola, foi um elemento a menos em campo. Nada de surpreendente dado que é este nível que vem apresentando já há muitos jogos;
  • André MartinsMuitos furos acima dos restantes elementos do meio-campo. Muito mais critério e qualidade no passe, principalmente se comparado com Adrien Silva
  • Nani
    De longe, o melhor jogador do Sporting CP. Seja em zonas mais laterais ou interiores, a diferença de qualidade para os outros é por demais evidente. Desequilibra quase sempre que tem a bola, fruto da qualidade que tem no 1x1. Atrai, fixa e solta quase sempre quando deve. Quando passou a ocupar zonas interiores o jogo interior melhorou bastante. Não será boa ideia começar logo de inicio com Nani no meio? 
  • Islam Slimani
    Limitado em tudo o que não seja finalizar de cabeça. Sem qualidade técnica para servir de pivot ofensivo, sem qualidade técnica para finalizar em movimento com os pés, sem qualidade técnica para ser o titular do Sporting CP
Nota negativa para as alterações de Marco Silva. Retirar André Martins de campo e deixar Adrien Silva foi uma péssima decisão, a todos os níveis. Com mais espaço para ocupar, a velocidade de André Martins tinha sido mais importante que a lentidão de Adrien Silva. Em posse, deixar em campo um jogador que estava a errar mais passes do que os que acertava não tem justificação. Retirar André Carrillo para meter Diego Capel também não tem qualquer lógica, dada a incapacidade que o espanhol tem para desequilibrar.

Em suma, e apesar de termos feito mais do que o suficiente para ganhar, ficou mais uma vez patente que há muito para melhorar. O pior é que não há lugar para mais erros. Se querem continuar com hipóteses de serem campeões, no próximo jogo o nível tem de ser bastante superior. Preocupante...

Modalidades: Futsal leonino entra a golear no campeonato | Enorme exibição de Candeias vale vitória leonina no 1º Derby oficial de Andebol

  • Futsal (Liga Sport Zone Futsal - Fase Regular
A equipa do Sporting CP, Bicampeã Nacional de Futsal, começou da melhor forma a defesa do título, ao entrar na primeira jornada com uma goleada por 7-1 sobre o SL Olivais, em Odivelas.

O Sporting CP entrou dominante e ofensivo, mas foram necessárias várias oportunidades até conseguir marcar o primeiro golo, que acabou por aparecer por intermédio de Pedro Cary (8'45). O mesmo Pedro Cary bisou a 2'39 do intervalo e Alex elevou para 3-0 pouco depois, resultado que se verificava ao intervalo.

A segunda-parte trouxe mais do mesmo, com o Sporting CP a realizar uma exibição de qualidade e a mostrar grandes jogadas de envolvimento colectivo. Jardel (autogolo), Paulinho, Caio Japa e Fábio Lima foram os autores dos outros golos leoninos, com o SL Olivais a marcar através de Jander.

Perante algumas centenas de adeptos presentes no Pavilhão Multiusos de Odivelas, a turma de Nuno Dias confirmou a sua superioridade e mostrou os novos reforços, que rubricaram boas exibições e mostraram bom entrosamento com a equipa.

Na próxima jornada, agendada para o próximo fim-de-semana, os leões deslocam-se ao reduto do CF "Os Belenenses".

  • Andebol (Campeonato Nacional - Fae Regular)
O Sporting CP venceu (e convenceu) o SL Benfica por 28-21, em jogo a contar para a Jornada 2 do Campeonato Fidelidade Andebol 1.

Com este triunfo no derby, a equipa comandada por Frederico Santos sobe à liderança da prova (o resto da jornada ainda decorre), somando por vitórias as partidas realizadas.

Os leões entraram melhor e chegaram ao 4-1 parcial com facilidade, vantagem que se foi arrastando (e aumentando) no decorrer dos primeiros 30 minutos. Ao intervalo, os visitados, constantemente apoiados pelos muitos Sócios e adeptos que quase encheram o Pavilhão do Ginásio Clube do Sul, na Cova da Piedade, venciam por 18-12.

Na segunda metade, e apesar da pequena reacção esboçada pelo adversário, o conjunto verde-e-branco manteve sempre o comando das operações. Ricardo Candeias, com um total de 22 defesas, esteve em plano de destaque, tal como Ricardo Correia, que entrou para conseguir parar dois livres de sete metros consecutivos. No final, o resultado de 28-21 expressa bem a exibição de gala do Sporting CP, que voltou a demonstrar a superioridade em relação ao rival, depois do triunfo já alcançado no Torneio Internacional de Viseu, durante a pré-temporada, por 33-25.

Pedro Solha, com 10 golos, foi o melhor marcador leonino, seguido de Frankis Carol (5) e Pedro Spínola (4).

A próxima jornada está agendada para as 18h30 do próximo dia 27,  Sábado, na deslocação ao reduto do NAAL Passos Manuel.

Formação: Equipa B não vai além do empate, ante Portimonense | Remontada na vitória dos Juniores leoninos | Iniciados leoninos vencem na Pontinha

  • Equipa B (Segunda Liga)
O Sporting B empatou hoje, sem golos, com o Portimonense SC, em encontro a contar para a Jornada 6 da Segunda Liga. Com este resultado, a equipa leonina passa agora a somar dez pontos em seis jogos realizados, com um total de três vitórias, um empate e duas derrotas.

A primeira-parte mostrou um encontro bem disputado, equilibrado, com o Sporting B a ter um pouco mais de bola mas os algarvios a mostrarem-se mais pragmáticos no último terço através de contra-ataques. Luís Ribeiro esteve em plano de destaque.

Após o intervalo, o Portimonense SC voltou mais forte mas, mesmo reduzida a dez por expulsão de Fabrice Fokobo aos 68 minutos, a formação leonina foi tentando restabelecer o equilíbrio do jogo, que ficou mais partido com menos um elemento em campo. Recorde-se que, até ao momento, o Sporting B somava por vitórias os encontros disputados na Academia (CD Santa Clara e CD Aves) e, em paralelo, os jogos frente aos algarvios na Segunda Liga.

Hadi Sacko fez a estreia oficial com a camisola verde-e-branca, saindo aos 70 minutos por troca com Gelson Martins.

Na próxima jornada, agendada para o próximo dia 17, Quarta-feira, pelas 16h, os leões deslocam-se ao reduto do GD Chaves.

  • Juniores (Campeonato Nacional - 1ª Fase - Zona Sul)
O Sporting CP apresentou-se no estádio do Restelo para continuar a sua senda vitoriosa mas não foi uma missão fácil.

A equipa da cruz de Cristo entrou forte e pressionante, anulando a formação leonina que parecia estar sem ideias. Rapidamente a superioridade em campo se reflectiu no marcador, tendo o CF "Os Belenenses" chegado à vantagem aos 10 minutos da partida. Com o golo, a equipa liderada por José Lima melhorou e, aos poucos, conseguiu equilibrar o encontro, chegando à igualdade aos 32 minutos através de Bubacar.

O intervalo foi crucial para a equipa verde-e-branca. O Sporting CP entrou mais forte, mais capaz e conseguiu impor o seu futebol. Num jogo que se provou muito equilibrado, José Correia conseguiu catapultar os leões para a frente do marcador, à passagem do minuto 54, resultado que não se viria a alterar mais.

Na próxima jornada, agendada para o próximo dia 20,  Sábado, os leões recebem os arqui-rivais do SL Benfica. Antes, os Juniores leoninos estrear-se-ão na UEFA Youth League, ante o NK Maribor, na próxima Quarta-feira, pelas 12h30.

Classificação & resultados aqui.
  • Iniciados (Campeonato Nacional - 1ª Fase - Série F)
A equipa de Iniciados do Sporting CP venceu, hoje de manhã, o CAC da Pontinha, por 1-3.

Diogo Brás, por duas ocasiões, e Vicente fizeram os golos da formação leonina, que foi sempre superior ao adversário, sobretudo na primeira-parte.

Com este resultado, os comandados de Pedro Venâncio – que sofreram só hoje o primeiro golo da temporada oficial – somam por triunfos os três encontros disputados, beneficiando ainda de um saldo positivo de 9-1 em golos.

A próxima jornada está agendada para o próximo dia 21,  Domingo, na recepção ao AD Oeiras.

Classificação & resultados aqui.

sábado, 13 de Setembro de 2014

Empate gela Alvalade: golo de Carrillo insuficiente para tanto desperdício, Leões cada vez mais distantes dos rivais

Árbitro
Cosme Machado

Assistência
34 980

Média de Assistência em Alvalade
36 366

Titulares: Rui Patrício (cap.); Ricardo Esgaio, Maurício, Naby Sarr e Jefferson; William Carvalho, Adrien Silva e André Martins, André Carrillo, Nani e Islam Slimani.
Suplentes: Marcelo Boeck; Paulo Oliveira; Oriol Rosell e João Mário; Diego Capel e Carlos Mané; Fredy Montero.
Fora da Ficha de Jogo: Junya Tanaka
Treinador: Marco Silva.

Golos:
  • 28' - Golo de Deyverson (0-1). Passividade da defesa leonina após cruzamento. A bola sobra para Nélson, que assite Deyverson para o golo, numa cabeçada indefensável.
  • 34' - GOLO de André Carrillo (1-1). Bruno China faz um mau passe, o peruano intercepta, segue para a baliza e remata, cruzado, para o golo do empate. É o 2º golo do peruano no campeonato.
Substituições:
  • 61' - Entram Diego Capel e Carlos Mané, saem André Carrillo e André Martins
  • 81' - Entra Fredy Montero, sai Maurício.
Disciplina:
  • 7' - Offside mal tirado a Maurício, que originaria um cruzamento perigoso para a área dos belenenses.
  • 9' - Um jogador adversário corta a bola com o braço, dentro da área, após cobrança de livre directo favorável aos leões, por Nani. Aceita-se a não marcação de grande penalidade...
  • 18' - André Martins carregado em falta por João Meira, à entrada da área dos belenenses. Cosme Machado manda seguir...
  • 19' - Novo offside mal assinalado, desta feita a Islam Slimani.
  • 31' - Cartão amarelo para Maurício. Por travar Deyverson, que seguia para o contra-ataque. É o 1º amarelo do central brasileiro no campeonato.
  • 45' - Jefferson atinge um adversário, na cara. Cartão amarelo por mostrar ao lateral brasileiro. 
  • 55' - Filipe Ferreira faz falta sobre Nani, à entrada da área belenense. Cosme Machado volta a não assinalar... 
  • 78' - Cartão amarelo para Jefferson. Travou um adversário em falta.
  • 89' - Cartão amarelo para Nani. Por protestos. É o 2º amarelo do extremo no campeonato.
  • 90' + 3 - Segundo cartão a,arelo (e consequente cartão vermelho) para Jefferson. Por comportamento incorrecto/protestos

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Talvez Memofante o ajude, querido ex-Presidente

Refutando as acusações que lhe foram feitas, o ex-Presidente Luíz Godinho Lopes veio hoje a terreiro, através de Comunicado (consultar aqui), refutar as acusações que lhe foram feitas (relativamente à renovação de contrato do russo Marat Izmailov e às contratações do peruano Alberto Rodríguez e do hispano-venezuelano Jeffrén Suárez).

Desde logo, esclarecer o ex-Presidente que i) "documentos, relatórios e linhas de orientação" não são (nem devem ser nunca) meros exercícios por tópicos, nem muito menos completamente não sustentados, insustentáveis e inexequíveis (a isso chama-se incompetência), ii) qualquer acção cível tem sempre a premissa da investigação para que se apure a culpabilidade ou não dos visados - um conceito que Godinho Lopes parece desconhecer, iii) categorizar muitas das suas contratações como "objecto de escolha rigorosa" é, no mínimo, risível, e iv) não foram 26 jogadores contratados no mandato de Luíz Godinho Lopes, mas sim 36, mais 10 jogadores, que passo a apresentar, abaixo:
  • Contratações no Mandato de Godinho Lopes (excluindo prémios de assinatura e comissões)
  1. Marcelo Boeck = ~959 mil €
  2. Alberto Rodríguez = ~1.24M €
  3. Oguchi Onyewu = livre
  4. Santiago Arias = ~920 mil €
  5. Emiliano Insúa = ~1.5M €
  6. Atila Turan = livre
  7. Stijn Schaars = ~1.35M €
  8. Fabián Rinaudo = ~2.42M €
  9. Luis Aguiar = livre
  10. Elias Trindade = ~8.85M €
  11. Valeri Bozhinov = ~2.60M €
  12. Ricky van Wolfswinkel = ~5.08M €
  13. Diego Capel = ~3.5M €
  14. Jeffrén Suárez = ~3.75M €
  15. André Carrillo = ~690 mil €
  16. Sebastián Ribas = empréstimo
  17. Diego Rubio = ~1M €
  18. Hugo Ventura = empréstimo
  19. Joãozinho = empréstimo
  20. Khalid Boulahrouz = livre
  21. Miguel Lopes = ~1M €
  22. Marcos Rojo = ~4M €
  23. Danijel Pranjić = livre
  24. Fabrice Fokobo = valor desconhecido
  25. Zakaria Labyad = ~900 mil €
  26. Nii Plange = ~livre
  27. Gelson Fernandes = livre
  28. Valentín Viola = ~4M €
  29. Gaël Etock = valor desconhecido
  30. Seejou King = empréstimo
  31. Iván Rodríguez = empréstimo
  32. Júlio Alves = empréstimo
  33. Kikas = valor desconhecido
  34. Luka Stojanovic = valor descnhecido
  35. Lucas Patinho = empréstimo
  36. Sunil Chhetri = valor desconhecido
  • Total = ~43.759M €
Além de Godinho Lopes ter mentido (ou se quiserem, se ter "esquecido") de 10 das "suas" contratações, em parte alguma é referido o montante total despendido nestas - no "inventário" acima elencado há valores que, por desconhecimento, não foram adicionados, a juntar aos prémios de assinatura e comissões, também desconhecidas. Em Relatórios & Contas anteriores é possível apurar alguns dos números correctos (Marcos Rojo, Diego Rubio, Elias Trindade ou Zakaria Labyad são alguns desses exemplos) que decidi não levar em conta, por uma questão de igualdade de circunstâncias perante os outros, cujos valores permanecem desconhecidos ou em defeito.

O ex-Presidente ameaça também, "se necessário for, não deixarei de vir a terreiro detalhar as informações que forem entendidas como úteis relativamente ao número de jogadores contratados pela actual SAD, à sua utilização na equipa principal e o mais que seja preciso para efectiva defesa da minha honra e dos que me acompanharam no Clube e na SAD".

Por antecipação, aqui fica a elucidação que Luíz Godinho Lopes pretende dar, achando no seu legítimo direito ser de extrema importância:
  • Contratações no Mandato de Bruno de Carvalho (incluindo comissões e prémios de assinatura)
  1. Welder = empréstimo (sem custos) = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  2. Maurício = 450 mil € = 34 jogos disputados na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  3. Jefferson = 1M € =  33 jogos disputados na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  4. Iván Piris = empréstimo (sem custos) = 8 jogos disputados pela Equipa Principal - Internacional (Paraguai)
  5. Sambinha = livre = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  6. Seejou King = livre = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  7. Vítor Silva = livre = 12 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  8. Gérson Magrão = livre = 11 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  9. Hugo Sousa = livre = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (Portugal)
  10. Wallyson Mallmann = 350 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  11. Shikabala = 198 mil € = 1 jogos na Equipa Principal - Internacional (Egipto)
  12. Islam Slimani = 300 mil € = 31 jogos na Equipa Principal -Internacional (Argélia)
  13. Fredy Montero = 2.308M € = 35 jogos na Equipa Principal - Internacional (Colômbia)
  14. Héldon = 1.25M € = 11 jogos na Equipa Principal - Internacional (Cabo verde)
  15. Salim Cissé = 750 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional (Guiné-Conacri)
  16. Ousmane Dramé = 25 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  17. Ramy Rabia = 750 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional (Egipto)
  18. Paulo Oliveira = 1.8M € = 1 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (Portugal)
  19. Naby Sarr = 1M € = 3 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (França)
  20. Jonathan Silva = 2.613M € = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (Argentina)
  21. André Geraldes = 500 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  22. Oriol Rosell = 1.018M € = 3 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  23. Simeon Slavchev = 2.5M € = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional (Bulgária)
  24. Junya Tanaka = 750 mil € = 1 jogos na Equipa Principal - Internacional (Japão)
  25. Hadi Sacko = 1M € = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (França)
  26. Matías Pérez = empréstimo (sem custos) = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (Paraguai)
  27. Everton Tiziu = livre = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  28. Lewis Enoh = 35 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  29. Ryan Gauld = 2.762M € = 0 jogos na Equipa Principal - Internacional Jovem (Escócia)
  30. Jorge Santos "Gazela" = 25 mil € = 0 jogos na Equipa Principal - Sem Internacionalizações
  • Total = 21.334M €
Honestamente, não consigo ver em que é que isto defende a honra de Luíz Godinho Lopes (ou sequer o porquê de se defender a honra), mas nem é a honra que está em causa, é a competência ou falta dela. E, quanto a isso, todo o acima elencado serve como base para essa discussão.

Finalizando, além da refuta perante as acusações que lhe foram feitas, Luíz Godinho Lopes não esclarece coisa nenhuma, preferindo escudar-se numa discussão que compara os jogadores que contratou (e ainda assim mentiu... ou "esqueceu-se" de alguns desses jogadores) e os jogadores que Bruno de Carvalho contratou, referindo até que muitos dos jogadores por ele contratados eram/são internacionais pelos seus Países - como se tal fosse significado inequívoco de qualidade.

Quanto às acusações em si, o próprio saberá (tem obrigação disso) o que a sua equipa directiva e administrativa terá ou não feito, não indo além do desmentido que de categórico ou sequer de esclarecedor não tem absolutamente nada.

quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

Mercado de Transferências: O Balanço Final

Como é já habitual, o Jornal Sporting fez novamente uma peça de síntese sobre as movimentações do Sporting Clube de Portugal no Mercado de Transferências deste Verão. Abaixo, a reprodução dessa síntese:

Aquisições
Notas:
  1. Oriol Rosell
    Custo de Aquisição (100%): 1.315M USDollars = ~1.018M €
    MLS detém mais-valia de 10% acima de 1.365M US Dollars = ~1.056M €
  2. Ryan Gauld
    Custo de Aquisição (80%): 2.2M £ = ~2.762M €
    Opções de compra pelos restantes 10 + 10% = 500 mil £ cada = ~627.879 mil € cada
  3. Jonathan Silva
    Custo de Aquisição (100%): 3.375M US Dollars = 2.613M €
    Estudiantes de La Plata detém mais-valia de 20% acima de 4.025M US Dollars = ~3.116M €
Total Despendido = ~14.719M €

Saídas
 Total Recebido = ~30.3M €

quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

Eis senão quando...


... ontem é apresentado o Relatório & Contas relativo a toda a época 2013/14 (a primeira época completa da Direcção de Bruno de Carvalho) e - pasme-se - o resultado final, ainda que diminuto, é positivo. 368 mil € marcam a diferença para vários dos mais recentes anos da actividade da SAD leonina.

Relativamente ao exercício em si, as novidades não são muitas: aumentado os capitais próprios em 1M €, o passivo ainda assim continua a subir, demonstrando e comprovando a todos que o trabalho não cessa nem se acabam com problemas sistémicos num estalar de dedos. Relativamente a jogadores, constata-se que se adquiriu mais 20% do passe do lateral-esquerdo Jefferson (por 300 mil €, detendo agora 80% do passe do jogador), que Paulo Oliveira custou 1.8M € (90%), Simeon Slavchev custou 2.5M € (85%), Oriol Rosell custou 966 mil € (100%), Junya Tanaka custou 750 mil € (100%) e André Geraldes custou 500 mil € (80%). Cerca de 6M € gastos até 30 de Junho (contratações posteriores só entrarão no próximo Relatório & contas).

Paralelamente, surgiu a convocatória para a Assembleia Geral (da SAD) agendada para o próximo dia 1 de Outubro, da qual se retiraram as duas grandes notícias do final de tarde de ontem:
  1. Vai ser pedida a aprovação de um novo empréstimo obrigacionista, até um máximo de 30M € (dependendo da subscrição).

    O empréstimo obrigacionista anterior, subscrito no mandato de Godinho Lopes (em Junho de 2011), no valor de 20M €, tinha uma maturação de 40 meses - a acabar precisamente em Outubro ou Novembro do ano corrente - pelo que, além de esta ser uma "ferramenta" financeira comum a todos os 3 grandes (diria até necessária, face à impossibilidade de pagamento e cessação imediata destes), parece-me que há aqui uma necessidade premente. Não de financiamento propriamente dito mas, antes, de não gerar mais dívida imediata e/ou de não perder a maioria da SAD (visto se tratar de VMOC's - Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis). Refira-se que o anterior Presidente havia referido ser aquele empréstimo obrigacionista (o anterior, de 20M €) o último de sempre, e que o actual Presidente se havia oposto ao mesmo. Em todo o caso, Bruno de Carvalho tem o dever e a obrigação de explicar os motivos desta nova subscrição, superior à anterior em 50%, e responder às dúvidas e preocupações que com certeza assolam os Sportinguistas neste momento.

  2. A Direcção actual entende por bem propôr acções de responsabilidade civil contra Godinho Lopes, "Nobre" Guedes, Luís Duque e Carlos Freitas, ex-dirigentes e administradores da anterior Direcção, por alegada violação culposa dos "deveres,  diligências e cuidados" a que estavam obrigados enquanto membros da Direcção.

    Os argumentos expostos não serão os melhores, nomeadamente em relação ao caso da renovação do contrato de Marat Izmailov, cuja "decisão carecida de racionalidade empresarial" não demonstrará mais senão incompetência. No entanto, a confirmar-se a veracidade dos factos expostos relativamente às contratações de Jeffrén Suárez e Alberto Rodríguez (que Luís Duque já veio a campo refutar - escudando-se, novamente, por detrás de um Campeonato ganho em 2000, e Deus e as Finanças de Alvalade sabem como, para justificar ridiculamente a sua autoridade moral em relação a Bruno de Carvalho). De somenos não será o facto da demissão da equipa médica da altura, liderada pelo Dr. Gomes Pereira, coincidentemente após as contratações destes dois jogadores (e de Luís Aguiar - lembrar-nos-emos dos problemas que deu e que ditaram a sua quase imediata saída, logo após a sua contratação). Novamente, a carecer de informação adicional, que será com certeza dada à Assembleia Geral de Accionistas.
Esta poderá ser apenas "a ponta do iceberg" (recorde-se que o 1º resultado da auditoria de gestão - relativo ao mandato de Godinho Lopes & Património - sai precisamente no final deste mês, pelo que algo mais poderá sair dessa auditoria, para lá desta 1ª decisão que me parece paralela à auditoria.

Por fim, referir que este tipo de acções abrem um precedente. Daqui para a frente, a Direcção de Bruno de Carvalho, ou qualquer outra posterior, poderá arcar com as mesmas acções - o que não é problema algum, bem antes pelo contrário.

O Sporting Clube de Portugal volta às capas de todos os jornais, novamente por maus motivos. A ver vamos no que isto dá.

Adrien Silva: motor ou mito?


Antes de entrar na questão central do post - que é o rendimento de Adrien Silva - quero esclarecer algumas coisas: 
  1. Não sou mais ou menos sportinguista que ninguém por criticar jogadores do Sporting CP quando, na minha opinião, são merecedores de crítica.
  2. A minha opinião é minha e de mais ninguém. Não é apenas por X ou Y dizerem Z que eu vou mudar de opinião. O que pode acontecer é mudar de opinião por concordar com os argumentos apresentados por outra pessoa.
  3. Todas as críticas que faço a jogadores, treinadores, processos, organização e etc. têm sempre por base o que eu considero melhor para o Sporting CP. Nunca critico apenas por criticar.
Esclarecidos estes 3 pontos, é tempo de entrar no tema que realmente interessa, ou seja, Adrien Silva

Realizei uma análise imparcial ao rendimento de Adrien Silva durante os primeiros 45 minutos na 1ª jornada em Coimbra e os primeiros 45 minutos no Estádio da Luz na 3ª jornada porque, na minha opinião, foram os melhores períodos das 3 jornadas já disputadas. Nas imagens apresentadas em baixo estão praticamente todas as jogadas em que o médio leonino esteve envolvido, directa ou indirectamente, quando o Sporting CP se encontrava em organização ou transição ofensiva. 











Analisados os vários lances acima expostos, em organização ofensiva, nos quais o Adrien Silva teve influência, facilmente verificamos que foram lances sem grande complexidade. Passes simples em que não foi preciso pensar qual seria a melhor opção a tomar, ou remates quando não havia linhas de passe. Apenas existia aquela opção pelo que só lhe restava executar bem para ser bem sucedido. Jogadores como Ricardo Esgaio, André Martins, Oriol Rosell ou João Mário realizam acções desta complexidade sem qualquer problema. E quem diz estes 4 jogadores diz algum jogador da Equipa B com um mínimo de qualidade técnica, como por exemplo Wallyson Mallman

Passemos então para as situações em que Adrien Silva não esteve bem. 


Podia ter conduzido a bola ao invés de tentar logo realizar o passe para Fredy Montero, Do lado esquerdo (fora da imagem) encontrava-se outro jogador do Sporting CP, pelo que se Adrien Silva tivesse procurado fixar o jogador adversário à sua frente tinha conseguido criar superioridade numérica naquela zona (principio geral de jogo).




Típica situação em Adrien Silva: procurar o remate quando tem colegas em melhor posição para dar seguimento à jogada. Com mais que uma opção para dar seguimento ao lance, opta pela pior das decisões.











Em praticamente todas as situações de maior complexidade, Adrien Silva toma más decisões, com isso transformando situações de perigo em situações de fácil resolução para o adversário. Ou seja, quando há mais que uma opção para dar seguimento a uma jogada, o médio português escolhe quase sempre a que garante menos probabilidades de sucesso à equipa.  Dentro do bloco adversário, Adrien Silva é, na minha óptica, um jogador que não acrescenta quase nada em termos de qualidade, se lhe retirarmos o remate (que na maior parte das vezes nem é a melhor opção a ser tomada).

Para concluir, é precisamente isto que eu critico em Adrien Silva - em organização ofensiva - e é por isto que não entendo como se critica tanto um jogador como André Martins, elogiando depois tanto um jogador como Adrien Silva, que tem este critério em posse. Mesmo não sendo um post no qual se aborda a influência que o jogador tem na organização defensiva, não posso deixar de referir que, apesar de Adrien Silva ser um jogador lutador e agressivo, tem grandes debilidades defensivas ao nível do posicionamento. 

Volto a relembrar, a crítica que faço ao jogador em questão é única e exclusivamente por achar que o Sporting CP ficaria a ganhar com outro jogador no lugar de Adrien Silva.

O que vos parece esta crítica? justa ou nem por isso? deêm a vossa opinião.

Licença de Conteúdos

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons.Quem copiar conteúdos sem especificar a origem está infringir os termos de copyright e fica sujeito a coima.
myfreecopyright.com registered & protected

Etiquetas

Tags:

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best Web Hosting Coupons