Próximo Jogo

Próximo Jogo

04/06/2014

Contratação vs. Formação: As Dúvidas de Sempre

A questão é recorrente: porque é que se contrata X jogador, para a posição Y, quando temos o jogador Z na Equipa B ou emprestado para a mesma posição? Vamos por partes...

A Formação do Sporting Clube de Portugal é realmente boa (precisa de uma reorganização a quase todos os níveis - mas isso já é outro tema). Todavia, nem mesmo com uma Formação de topo, como é a nossa, se consegue substituir eficiente e qualitativamente as lacunas que, época após época, se identificam no(s) plantel(éis), o que advém do próprio recrutamento e da irregularidade qualitativa que se encontra (ou não) nas várias gerações de formandos. Actualmente, por exemplo, ainda que se consiga sempre encontrar alguns jovens talentos em quem depositar algumas esperanças acrescidas, é notório que a nossa Formação não está ao nível que nos habituou.

Por tudo isto, e por uma questão de (alta) expectativa que se foi imbuindo dos adeptos do Sporting CP, instituiu-se a ideia - errada - de que todas as contratações não só podem mas devem ser evitadas para se dar primazia à promoção e utilização dos canteranos. Estabelecendo uma analogia relativamente a este defeso, por exemplo, questiona-se a contratação de Paulo Oliveira em desprimor de Eric Dier/Tobias Figueiredo/Rúben Semedo, a contratação de Simeon Slavchev em desfavor de João Mário/Filipe Chaby/Wallyson Mallmann ou a contratação de Oriol "Uri" Rosell quando há, por exemplo, Fabrice Fokobo. Na ideia do adepto, a Formação é sempre melhor que o resto, quer desportiva quer até financeiramente...

Pontualmente, tal até pode ser verdade, sendo certo que a correspondência nunca é a mesma para cada caso. A tal aposta na Formação, dita tantas vezes, deixa transparecer a ideia - errada, de novo - de que a Formação não só pode como deve ser a única força motriz da equipa. Não é por acaso que os benfiquistas e portistas gostam de sublinhar, em jeito jocoso, que se o Sporting Clube de Portugal tem uma Formação tão boa como julga (ou como assim acham os adeptos) não precisaria de ir ao mercado.


Em 2013/14 tivémos um lote de jogadores formados no Clube a jogar na equipa principal, como há muito não me lembrava: Rui Patrício (guarda-redes), Cédric Soares (lateral-direito), Eric Dier e Rúben Semedo (defesas-centrais) - estes a espaços, William Carvalho, Adrien Silva e André Martins (médios) e Wilson Eduardo e Carlos Mané. Nove!!! Por mais que se queira considerar que tal conjuntura deveria ser apanágio, não é. Trata-se de uma anomalia proporcionada por diversas razões, das quais a principal será mesmo a dificuldade económico-financeira por que todos sabemos estarmos a passar. Em condições normais, um Clube aposta, promove, lança um jogador formado por época, dois ou três talvez, mas nunca mais!...

Daí que ache um tanto a despropósito "pegar" nos jogadores da Equipa B (ou Juniores até) e querer promovê-los quase todos. Não é possível, nem uma equipa (qualquer que seja) reúne condições para o fazer, sob pena de ver desmoronar alguns dos objectivos a que, por princípio, se propõe.

Mas então por que se contratam jogadores jovens, se os temos - e bons - cá? Depende da estratégia de mercado do Clube, das possibilidades financeiras de que se dispõe, das oportunidades que se lhe surgem. Tendo por base este defeso, diria que a estratégia passa por assegurar reforços que possam não só assegurar o presente (talvez não tanto em termos qualitativos imediatos mas, sobretudo, quantitativamente - a ver vamos) mas também o futuro, visto as claras deficiências que apresenta actualmente a nossa formação, em quantidade e qualidade em partes iguais. Não deixámos de ter bons formandos, mas hoje não temos tantos como noutros tempos...

Estamos a fazer bem, estamos a fazer mal?... Só o tempo o dirá, com certeza.
Partilhar:

18 comentários:

  1. Excelente post que traduz exactamente a minha opinião e que espero que elucide muitos sportinguistas que pensam que tem de se lançar 10 jogadores por ano ou coisa parecida !
    Parabens Mauro !

    ResponderEliminar
  2. Excelente Post Mauro, simplesmente realista não caiste na mesma asneira de muitos bloggers que gostam de fazer futurologia sem qq fundamento.

    SL,

    ResponderEliminar
  3. Anónimo4/6/14 15:59

    A questão, creio, terá de ser posta perante os seguintes pressupostos:
    1º Não temos dinheiro para grandes, ou mesmo pequenas, contratações, isso é assumido;
    2º Temos uma boa formação e só dando oportunidades é que os jogadores podem corresponder, ou não, às exigências.
    Perante estes dois pressupostos, só faz sentido qualquer contratação se a mesma corresponder a um jogador que entre, sem qualquer dúvida, na equipa titular, uma verdadeira mais valia.
    Não faz sentido contratações de jogadores para serem suplentes (Welder, Magrão, Vitor, Heldon, Piris, Cissé) ou para terem um largo período de adaptação (Shikabala), independentemente do que algum deles possa vir a jogar no futuro, pois nesse caso, também não sabemos o que poderiam jogar no futuro jogadores da formação se lhes fosse dada igual oportunidade e que ficam tapados por este tipo de contratações.

    ResponderEliminar
  4. Na minha opinião a formação do Sporting está bem e recomenda-se!
    Recordo que há cerca de um ano atrás saíram dois jogadores fantásticos da formação do Sporting que estavam a começar a dar cartas na equipa principal do Sporting Clube de Portugal (Ilori e Bruma).
    Tivemos William Carvalho a mostrar-se ao mundo com exibições portentosas, a surpreender tudo e todos, e também ele saiu da formação do Sporting, e hoje é já uma certeza, e mais um desses jogadores com selo de qualidade- leia-se "formação do Sporting".
    Este ano tivemos o João Mário a realizar exibições notáveis ao serviço do Vitória de Setúbal na segunda volta do campeonato.
    Temos o Mané, que apesar de (ainda) não ser o que muitos Sportinguistas já fazem dele provou que tem muito potencial e, esta época, tudo indica, que irá fixar-se em definitivo no plantel principal do Sporting logo na pré época.
    Se juntarmos a isto, Tobias Figueiredo, que realizou alguns jogos na equipa B, sendo depois emprestado ao Reus onde também fez alguns jogos, que esteve no torneio de Toulon em bom plano, e que pode fazer a pré época integrado na equipa principal.

    Claro que a formação por si só não chega para tornar do Sporting um clube ganhador, mas tendo em conta a qualidade dos jogadores que frequentemente a Academia de Alcochete dá a conhecer ao mundo do futebol, há que estar atento a esses jogadores e proporcionar-lhes oportunidades na equipa principal, e penso que esta direcção do Sporting está sensibilizada para isso.
    A questão de se ir buscar jogadores a outros clubes é uma "não questão" porque apesar de já haver vários jogadores oriundos da formação no plantel principal, esta nova época que se avizinha, vai haver mais um ou outro que farão parte do elenco ao dispor de Marco Silva.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo,

    Percebo o seu pressuposto. Porém, acho-o errado, nomeadamente no «só faz sentido qualquer contratação se a mesma corresponder a um jogador que entre, sem qualquer dúvida, na equipa titular, uma verdadeira mais valia». Anuiria se - e só se - a estratégia de mercado fosse contratar jogadores unicamente para o imediato, o que não está a ser, a julgar pelas 3 contratações até agora confirmadas. São contratações de futuro.

    Já vi que não concorda, ou que acha mal este tipo de abordagem. É a sua legítima opinião. Porém, se me permite, está demasiado toldado pelo desejo dos títulos imediatos, algo que, a meu ver, não é possível já nem vai ser possível nos próximos 4/5 anos (e já estou a ser simpático), a menos que, de repente, chovam notas de 500 € em Alvalade.

    Essa história do «ficam tapados por este tipo de contratações» é outra falácia, repetida interminavelmente. Uma falsa questão que, inclusivé, põe em causa a capacidade de avaliação dos treinadores. Nem as contratações nem a formação têm postos diferentes, ou partem de pressupostos diferentes, no que à qualidade diz respeito. Se forem bons e renderem comprovadamente, tanto uma qualquer contratação como um qualquer formando seria/será utilizado, porque a premissa só pode ser uma: a mais-valia da equipa. Diz que não faz sentido contratar suplentes, eu digo-lhe de igual forma que uma equipa sem suplentes à altura terá poucas hipóteses de ganhar o que quer que seja.

    As verdadeiras mais-valias de que fala não custam 1M, nem 2 nem se calhar 3M €, por muito que se pense que o recrutamento os possa encontrar. Quando acontece, o que é raro, trata-se de uma excepção e não da regra. E, convenhamos, na conjuntura económico-financeira do Clube, não nos podemos dar ao luxo de dar 10M € por metade do passe de um Markovic ou de servir como interposto comercial para Stevens Vitórias, Fariñas e outros que tais. E contratações falhadas acontecem em qualquer Clube - a nós, resta-nos fazer os possíveis para que tais prejuízos sejam minorados, como acontece com os jogadores que elencou.

    Compreendo a sua exigência. É a minha exigência também. Mas tudo isto está para lá do pouco que conhecemos e discutimos.

    ResponderEliminar
  6. Outra questão Mauro, são os valores dos contratos

    Os jogadores contratatos vão receber na ordem dos 200/300m euros, enquanto que os formados na academia muitas vezes pedem valores bastante mais altos para renovar

    Por quanto conseguiriamos renovar com Ilori, Bruma, Dierm, Fokobo, etc, para não falar até um juniores que depois saem para o porto ou outros clube ??

    ResponderEliminar
  7. Jorge Alemão,

    Pormaior pertinente, esse. Quanto ao Bruma, por exemplo, julgo saber que os valores que propôs (ou, antes, que o advogado Bebiano Gomes pediu, em representação do empresário Catió Baldé que, por sua vez representava o jogador) eram precisamente iguais aos que acabou por ir ganhar no Galatasaray. Muito dessa súbita ganância dos jogadores jovens, destes em específico, deve-se à prematura promoção e utilização por parte do Sporting - outro problema que se agudizou na época passada.

    Quanto aos Juniorese camadas mais inferiores, será mais fácil dar a volta ao texto, porque os valores são incomparavelmente mais baixos. Ainda assim, o que Cassamá foi ganhar para o Porto, por exemplo, é pornográfico, para os valores que se praticam dentro do escalão, mesmo os mais altos. Já para não falar de outras ofertas (carro e casa com despesas correntes todas pagas, por exemplo) além do pagamento integral dos estudos...

    ResponderEliminar
  8. Este assunto da "aposta na formação" é um dos exemplos da bipolaridade do adepto típico do SCP.

    Se se contratam jogadores em vez de se promoverem jovens da formação, chovem as criticas, porque não se aproveita uma das melhores escolas de formação do Mundo.

    Se se lançam jovens da formação na equipa principal - que, como jovens que são, precisam de tempo de aprendizagem e de maturação - são criticados e assobiados, porque "não têm qualidade para o SCP".

    Os exemplos são muitos, e vão desde Nani a André Martins, passando por Rui Patrício, Pereirinha, Miguel Veloso e tantos outros
    .
    É óbvio que o SCP - nem nenhuma equipa no Mundo - consegue formar jogadores de qualidade para preencher as 11 posições da equipa!
    Só por aqui se devia perceber da necessidade de contratar jogadores do exterior.
    Por outro lado, há jogadores que quando acabam a formação não estao, longe disso, preparados para jogarem ao mais alto nível do futebol profissional, e precisam de rodar noutros clubes, para adquirirem experiência - o caso do William Carvalho e do Adrien são paradigmáticos.

    E depois surgem aqueles problemas com os jogadores da formação a que já se fez alusão, como Fokobo, Bruma, Illori (e estará a suceder - ao que parece - com Dier), que obrigam necessariamente o clube a precaver-se para suprir previsiveis saídas dos mesmos.

    Por isso, a estratégia que tem vindo a ser seguida pelo clube parece-me, mais do que acertada, a única possível, tendo também em conta as limitações financeiras conhecidas de todos.

    Jarvalho

    ResponderEliminar
  9. Qualidade a mais nunca foi problema. Esta é a minha maneira de ver esta questão da formação vs contratação. É melhor ter Wallyson, João Mário ou Slachev? Na minha o melhor é ter os 3! Depois, joga quem o merecer mais. O treinador, seja ele qual for, não escolhe o jogador X em detrimento do jogador Y, pela maneira como chegou ao plantel ( vindo da formação ou reforço).

    O que não pode acontecer é serem contratados jogadores de qualidade muito duvidosa e não se apostar em jogadores da formação, como este ano aconteceu, ao que tudo indicada por indicação de Leonardo Jardim.

    Em suma, e como o Mauro disse e bem, um clube, seja ele qual for não vive só da formação. A formação pode e deve ser a base do Sporting Clube de Portugal, mas complementada com jogadores de qualidade vindos de fora.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo5/6/14 14:36

    Como adepto sportinguista, gostaria de ver boa parte do plantel do sporting composto pela formação. era um orgulho.
    Mas temos de ser realistas, a verdade é que tirando mané na epoca passada, o que passa com o jogadores da formação, é todos eles passam por emprestimos. Emprestimos esses que tem resultado muito bem. alguns fora de portugal.
    quero dizer com isto que a poucos jogadores a entrarem directamente para a equipa principal. WC e JM provam isso. WC este fora duas epocas e veio como veio. JM estava no sporting e nada, saiu e fez alguma coisa. parece-me a mim que novos desafios e culturas futubolisticas diferentes são mais valias para miudos que possam achar que tenham lugar cativo.
    por isso precebo estas contratações. posso estar enganado, mas qualquer um destes 3 jogadores são ser em 2, 3 anos referencia e base no sporting

    ResponderEliminar
  11. Anónimo5/6/14 17:05

    Concordo com a contratacao das valias recentemente chegadas a alvalade, tendo em conta que no plano desportivo, trarao concorrencia acerrada aos actuais titulares, o que melhorara a regularidade das exibicoes do titulares.

    Individualmente o Simeone é alguem que oferece esse pressing ao Adrien, o que nao aconteceria com o Joao Mario, mas é um canterano que deve constar no proximo plantel para caso o Simeon falhar, e ate porque o box to box é a posicao mais desgastante, 3 alternativas esta de bom tamanho.

    O Oriol é uma contratacao que tambem dara esse pressing de exibicoes regulares ao William, e nao seria o Fokobo (bom no desarme, mas que pouco mais dá no passe), e nem o Zezinho que apesar de talentoso ainda nao é dinamico o suficente (se calhar devia ser emprestado a um clube da 1a liga).

    No entanto ja nao digo o mesmo da contratacao do Paulo Oliveira, pois ainda sendo um bom central e rodado, estamos certos que o Dier, o Semedo ou o Tobias, em 2 a 3 jogos seguidos, estariam a deliciarnos mas rapido do que o Rojo conseguiu na epoca transacta. Nessa posicao fechamos os canteranos sim, ha excedentes, e isso certamente agudizará o descontentamento que 'seria' natural de Dier, Semedo sem tambem esquecer a aposta sul americana que chegou em Janeiro.

    Do mesmo modo um terceiro ponta de 24 anos, sedento de jogar inicialmente, e com pouca disposicao para rodar na equipe B, nao seria boa gestao, pois ja temos 2 que se fazem pressing e so um sera titular. Tera de vir um 3o sim, mas que aceite humildemente manter a forma na equipe B, esperando por uma opurtunidade de se mostrar.

    SL

    ResponderEliminar
  12. Anónimo,

    Quanto ao Rúben Semedo não podia estar em maior desacordo consigo. è um central com potencialidades mas que continua a cometer os mesmos erros que se lhe reconhecem desde júnior. Quanto a mim, precisa de rodar numa equipa de 1ª liga, jogar regularmente e assentar o seu jogo. Nesse aspecto, acho até que o Tobias Figueiredo está muito melhor preparado para jogar já... Quanto ao Matías Perez, vamos ver como lhe correrá esta época. Qualidade a mais nunca foi problema... Referir que, pese embora o aparente sobrepovoamento nos centrais, não há nenhum outro de qualidade sequer equivalente a sair da Formação!

    Quanto à questão dos avançados, eles sabem perfeitamente que, numa equipa que só jogue com um PL, a concorrência se torna um tanto desleal. No entanto, eles também sabem que, em Futebol, de um momento para o outro as coisas mudam. Baseando-me nas notícias, não estou a ver um Derley ou um Rafael Martins (e muito menos o tal romeno que se fala hoje) a "refilar" por não jogar. Acresce a isto o aumento de jogos na próxima época, pelo que, mais ou menos, sabem sempre que terão oportunidade de se mostrarem.

    Em tudo o resto, completamente de acordo...

    ResponderEliminar
  13. Mário Borges Ferreira6/6/14 01:56

    Para mim a questão não está na capacidade de comprar jogadores com passes mais elevados, mas sim em pagar ordenados mais elevados.
    Com esta restrição temos de comprar quem aceite um plano remuneratorio progressivo e com prêmios de sucesso, dentro de um Orçamento que não crie mais deficit.
    Para conseguirmos ter sucesso precisamos, para além destes requisitos, de ter que acertar nas contratações, o que só pode ser alcançado com maior probabilidade quanto maior for a quantidade.
    Se para ganharmos um Maurício , um Slimani e um Montero, tivermos que custear um Welder, um Piris ou um Magrão, por mim tudo bem.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo6/6/14 10:23

    Este texto comeca logo mal. A formacao e' realmente boa mas precisa de uma reorganizacao a quase todos os niveis.

    Enfim...

    ResponderEliminar
  15. Anónimo,

    Se quiser vestir o fato de avestruz e continuar a enfiar a cabeça na areia, para evitar ver que a nossa Formação está, neste momento, num período mau, está no seu direito. Não me peça é a mim para fechar os olhos e achar que está tudo bem. Os resultados não são tudo, em Futebol de Formação, mas são um sintoma de algo. Se os quiser consultar, tem aqui as devidas páginas para cada escalão. Tire você as suas próprias conclusões...

    Quanto à frase que transcreveu, mais simples de perceber é difícil: quando em condições normais, a nossa formação é imbatível em Portugal, quando em condições anormais (como está a suceder) há consequências, e essas estão à vista...

    ResponderEliminar
  16. Concordo com o post, nem o Barcelona que tem aquela que é considerada a melhor formação do mundo consegue abastecer todo o seu plantel com jogadores da formação e é natural nenhum clube consegue ser formado a 100% pela sua formação, penso que o máximo que se pode exigir é que se vão lançando jovens aqui e ali a espaços e nunca mais do que 1,2 ou 3 por época (penso que mais não é plausível).

    ResponderEliminar
  17. Acostista8/6/14 22:13

    Este post e a maioria dos comentários são muito superiores ao que se encontra nos jornais e debates televisivos. Parabéns. Saudações Leoninas

    ResponderEliminar
  18. Mauro Silva o meu ponto e precisamente esse: eu tambem acho que ha coisas que estao mal na nossa formacao. Como tal, nao poso nunca afirmar que a nossa formacao e realmente boa. Ja foi excelente e tem muito potencial, neste momento esta fora de forma e nao se recomenda como antigamente

    ResponderEliminar

O SVPN reserva-se ao direito de moderar sem aviso prévio, qualquer comentário abusivo/ofensivo ou insultuoso.

Qualquer comentário desenquadrado com o tema do post não será aprovado.

Para facilitar a discussão, agradecemos que assinem os comentários - quem não tem conta pode seleccionar o campo Nome/URL (o URL pode ser deixado em branco), onde podem assinar o vosso nome ou um qualquer nickname à vossa escolha!