Próximo Jogo

Próximo Jogo

14/05/2015

Para bom entendedor...


Todos sabemos como funciona o jornalismo moderno, mais obcecado com as vendas que com a informação, caindo num sensacionalismo genericamente bacoco. O que se tem lido desde o início deste mês de Maio é disso prova provada. Mas, sensacionalista ou não, todo o jornalismo assenta em alguma verdade (para ser credível, a mentira deve assentar sempre num fundo de verdade, por mais ínfimo que seja).

Vejamos: pode deduzir-se, por exemplo, que as duas parangonas que a imagem acima exemplifica são consequência da entrevista do Presidente Bruno de Carvalho, antes de ontem, à Sporting TV, da qual passo a tecer as minhas próprias considerações:
  • Empréstimo Obrigacionista (30M €)
Julguei ser um tema inócuo, porque julguei (inocentemente) que as pessoas tivessem o mínimo de inteligência e (in)formação. Porém, constato o contrário, lendo alguns inauditos estarolas (ab)usarem de mais esta questiúncula para atacar ninguém-sabe-bem-o-quê mas no fundo até sabemos. Este novo empréstimo obrigacionista, incluso nas negociações já fechadas da reestruturação financeira que esta Direcção levou a cabo, mais não serve senão para revolver o empréstimo obrigacionista anterior (20M €), mais juros subsequentes. Da totalidade, o remanescente (algo na ordem dos 3M €) reverterá para a SAD leonina.

Sublinhando que este tipo de acções são perfeitamente normais, são só "perigosas" no sentido em que geram mais dívida (ainda que estivesse já salvaguardada pela reestruturação financeira). Do argumento falacioso que usam - Bruno de Carvalho votou contra as VMOC's, anteriormente, esquecem-se de referir que partiu de um contexto financeiro completamente diferente, em que o lançamento deste tipo de empréstimos servia, quase exclusivamente, para o financiamento da própria SAD (e, nem assim, com os resultados que se conhecem).
  • Pavilhão, Somague, Ficope e Sporting CP
Confesso que, quando anteriormente discorri sobre esta matéria, não tinha ainda lido o parecer da Ficope, relativamente a (mais) esta contenda. Após a leitura do mesmo (para quem quiser consultar, pode fazê-lo aqui), fiquei absolutamente esclarecido quanto à problemática. Leiam, vale a pena.

No final das contas, mesmo com obras extraordinárias, o Sporting Clube de Portugal poupará qualquer coisa como 400 mil € com a adjudicação à empresa Ferreira Build Power, em comparação com a contra-proposta da Somague.

À excepção do adiamento dos prazos inicialmente previstos, não consigo ver aqui absolutamente nada que melindre o Clube ou a construção da obra.
  • Futebol: Planeamento Desportivo-Financeiro
"Não sei que orçamento vou ter na próxima época". É esta a frase da discórdia. Lida no sentido literal, concedo, é inadmissível que o Presidente de uma Instituição como a nossa diga (...) isto. Mas há que ler nas entre-linhas: no meu entendimento, a mensagem que Bruno de Carvalho quis passar foi que, a este ponto, não sabendo em concreto o que poderá ou não ser alcançável, o orçamento não está fechado (nem podia). Por exemplo, pegando apenas nesta variável: i) se o Sporting CP passar o Play-Off de acesso à Fase de Grupos da UEFA Champions League, terá à cabeça 14M € (2M € da passagem no Play-Off + 12M € de acesso à Fase de Grupos); ii) em caso de eliminação no Play-Off, o Sporting CP receberá um total de, salvo erro, 6.5M € (3M € do Play-Off + 3.5M € do acesso à Fase de Grupos da UEFA Europa League). Só aqui, é uma diferença, pesada, de 7.5M €. E nem sequer estão contabilizados aqui o market-pool das transmissões televisivas, bilhética, marketing e outros valores variáveis...

Depois há a questão do patrocínio para as camisolas da próxima época, visto o término do contrato com a PT (que já se sabia vir a acontecer há um ano). Fala-se hoje, no sempre suspeito Correio da Manhã, que o Sporting Clube de Portugal poderá seguir o exemplo do Club Atlético de Madrid (como exemplificado na imagem) e apostar no patrocínio de um País - no caso, o da Guiné-Equatorial. Não me choca, honestamente, embora seja algo quase insólito. Aqui só há um factor a ter em conta: o negócio poderá ser financeiramente bom? Se sim...

Além disto, já agora que estou com "as mãos na massa", os naming rights de instalações: a Academia de Alcochete está sem naming há dois anos (e não um, como muito se escreve por aí - após o final do contrato com a Puma, para o efeito, embora a Puma tenha permanecido ainda mais uma época com o patrocínio das camisolas) e o naming do Estádio José Alvalade tarda em aparecer. Teoricamente, estaria aqui uma boa fonte de receita!

Quanto à equipa propriamente dita, Bruno de Carvalho disse o que devia dizer: nada! Defendeu, como devia, o plantel e os interesses (que os terá) no mercado do próximo defeso, que se aproxima a passos largos.
  • Bilhetes, Jamor & Alvalade
Muito se tem discutido acerca da Final da Taça de Portugal, nomeadamente quanto à atribuição de bilhetes para o Jamor. Pois eis que além do acréscimo de bilhetes comercializados (mais cerca de 4 mil, em comparação com a Final de 2012), as críticas continuam a surgir. Aqui, não há forma de agradar a gregos e a troianos pois, como se costuma dizer em linguagem popular, "para comer aparecem todos" e, no Jamor, só cabem 15 mil Sportinguistas - se tanto.

Compreendo a indignação dos que ficaram de fora devido as critérios postos em prática, mas compreendo igualmente que nunca seria fácil - muito menos consensual - para o Clube, fossem quais fossem os critérios idealizados; haveria sempre alguém desfavorecido!

Por esta mesma razão, a Direcção decidiu abrir as portas do Estádio José Alvalade a quem quiser ter outro tipo de experiência, inclusivamente revertendo os lucros para a Missão Pavilhão (que todos querem mas muitos se esquivam). O evento pode ser consultado aqui (link), com os devidos preçários.

Sim, anuímos todos que os preços para os picnic's são demasiado elevados - mais ainda para quem queira levar a família toda, ou para quem se desloque de longe, propositadamente. Porém, os donativos para a bancada são razoáveis (10 ou 5€, conforme já se tenha feito donativo ou não), mesmo tendo que pagar consumos à parte. Grande parte das críticas que já tive oportunidade de ler incidem nos preços dos picnic's, pelo que devo perguntar: mas queremos todos ir para o relvado? Por que não ir para as bancadas? E reservo-me daqui futuras considerações para eventuais considerações que façam, quanto a esta matéria, na caixa de comentários ao post.

Nota: Para referência complementar, consultar também o post O Fair-Play como um lembrete constante.
Partilhar:

16 comentários:

  1. Eu próprio fiquei algo surpreendido pela frase do orçamento. No entanto, mea culpa, já que creio que fui levado um bocado pelo conjunto da entrevista que nao apreciei particularmente.

    Primeiro, porque nao gosto destas entrevistas em que o entrevistador serve apenas para dar a deixa.

    Segundo, porque quanto ao futebol houve tempo para malhar na imprensa e a especulação que faz mas nao houve tempo para falar de Marco Silva (que tem sido alvo de especulação desde janeiro). Neste ponto, nunca saberemos quais os reais efeitos de um assunto mal gerido em que Janeiro continua a pairar e onde, no meu entender, ficou claro a que título o Ze Eduardo actuou.

    Terceiro, quanto ao patrocinador, compreendo a situação difícil do SCP mas repudiaria ver um regime como o da guine equatorial a promover-se no nosso scp.

    Em termos globais, vejo como positiva a questao dos bilhetes, e do pavilhao. Considero boa a iniciativa de ver o jogo em alvalade mas considero o preço excessivo para o evento que é (ver o jogo na tv) e para a realidade portuguesa.

    SL

    ResponderEliminar
  2. LeãoIndefectível10A14/5/15 16:16

    Fico sempre muito agradado quando leio um texto razoável e que procura ler tudo numa lógica dos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal.

    Concordo com tudo o que é dito, não se me apraz dizer nada de dissonante.

    Muito agradecido pelo insight já que, a fazer fé nalgumas pessoas, dá a sensação que estamos em 7º lugar a lutar por um lugarinho na
    Europa... quando, por imaturidade e inexperiência, ficámos apenas em 3º e vamos ganhar a final da Taça de Portugal, porque Deus não dorme, regressando, finalmente, aos títulos.

    Grande Abraço,

    LeãoIndefectível10A

    ResponderEliminar
  3. Acho que os adeptos ficaram mal habituados. No passado não havia ninguém a dar explicações. Fazia-se e pronto. Agora, sempre que BdC fala, é escrutinado ao mais ínfimo pormenor. Temos que começar a avaliar mais as acções do que as palavras.

    Cumps

    ResponderEliminar
  4. Subscrevo na integra a análise o Mauro efetuada a todas as temáticas.

    Acrescentaria apenas a minha tristeza e indignação por muitos dos posts e comentários por essa blogsfera Sportinguista que não perdem uma oportunidade para subverter o que é dito por BdC.

    Diga-se também que BdC pós se a jeito no entanto compreendo que a preocupação dele seja efetivamente o SCP e não uns crápulas que por ai andam que se dizem Sportinguistas que sob o "manto" do sentido critico constroem mentiras com base muitas vezes em deturpações e em juízos de personalidade.

    ResponderEliminar
  5. JVB,

    Antes de mais, se me permite o elogio, deixe-me dizê-lo que é dos bons comentadores que se podem ler, actualmente, pelos blogues. Tenta ser cordial, concordando ou não com os artigos e evita entrar em politiquices bacocas e demagogas que tanto se vê por aí, hoje em dia. Salutar; o meu abraço por isso!

    Adiante, respondendo:

    Este tipo de entrevistas soa sempre a propagandismo barato, concedo. Ainda assim, têm sempre o condão de, pelo menos, informar alguma coisa, por pouco que seja. Para outro tipo de entrevista, mais confrontista para com o entrevistado, seria preciso sair para o mercado independente - se é que se pode dizer que a RTP, a SIC ou a TVI são, de facto, independentes (mas isso já é outro assunto)...

    Quanto à não referência a Marco Silva (o meu mea-culpa também, porque era suposto ter escrito algo no post mas acabei por me esquecer visto a extensão do mesmo), não acho que fosse imperativo. Porquê? Porque Bruno de Carvalho tem sido (ou foi) interpelado já várias vezes nesse sentido, sem que a resposta mudasse. Nunca respondeu em concreto se "sim ou sopas" e não seria agora que o iria fazer, portanto, para dar de novo a mesma não-resposta, vale mais não ter dito coisa nenhuma, como fez...

    O assunto foi mal gerido de início (estou convencido que BdC já se interiorizou do erro crasso que cometeu) e, neste momento e nesse aspecto, quero crer, estão ambos a funcionar numa lógica de contenção de estragos. O que, a meu ver, se compreende, quer as coisas estejam completamente sanadas ou não.

    Quanto ao regime da Guiné-Equatorial, dei o exemplo do Atl. de Madrid (Azerbaijão) por esse mesmo motivo. No Azerbaijão, o regime também não é o melhor e nem por isso os adeptos se queixam do patrocínio. Para mim, numa perspectiva de negócio, como disse, só me interessa se financeiramente é bom para o Clube ou não. É isso que, afinal, interessa!

    Quanto aos bilhetes, continuo na minha: mas queremos ir todos para o relvado?

    ResponderEliminar
  6. Aconselharia que desse uma vista de olhos sobre alguns artigos acerca da Guiné Equatorial. Talvez mude de opinião relativamente a este ponto.

    ResponderEliminar
  7. LeãoIndefectível10A,

    Obrigado pelos elogios. Sabe sempre bem ver o esforço reconhecido. Bem-haja...

    Um abraço!

    RMSCP,

    Ainda ontem discutia o mesmo. Os adeptos hoje quase tomam por obrigação da Direcção dizer-lhes tudo ao mais ínfimo pormenor, quando tal não é possível, por inúmeras razões.

    Há o que se deve dizer, o que se pode dizer e o que não se pode nem deve dizer. Saibamos nós compreender isto!

    Sérgio,

    A excessiva (quase ao extremo senão para lá do extremismo) politização dos assuntos, hoje em dia, no Sporting Clube de Portugal, é um dado adquirido; para cada extremista X hão-de aparecer 2 extremistas Y e assim sucessivamente até a discussão de base se perder em discussões pífias e insultuosas relativamente ao carácter do mensageiro. E a mensagem, invariavelmente, perde-se...

    Tem a ver com o que disse o também. Antes, estávamos todos numa espécie de dormência crítica, hoje surgiu o sentido crítico espontâneo. Não seria mau, não fossem os personagens que acham que só há duas trincheiras e um deserto por entre elas. Se é que me entende.

    Grande abraço a todos, e obrigado pelos comentários.

    ResponderEliminar
  8. Concordo com tudo o que foi dito neste post, mais um excelente texto publicado.

    Queria pegar na parte do orçamento para a nova época que tanto fricção tem parecido causar.
    Mais do que ser uma farpa ao treinador, penso que estas palavras do presidente são um aviso aos adeptos e mesmo à equipa técnica (não estou totalmente seguro que saia no final da época), para o que vai ser a próxima época. Por isso mesmo não me admirava de contarmos com um plantel constituído na maioria pela prata da casa e apenas com 1 ou 2 contratações cirúrgicas para atacar o playoff da champions.
    Para mim aquelas palavras vão muito neste sentido para alertar desde já os adeptos e os preparar para o plantel que irá começar a época.

    ResponderEliminar
  9. O Sporting tem de ter antecipação se quiser ter sucesso , e passar uma ideia de um clube com desprevenido não é a melhor forma de o credibilizar , sendo que esta credibilidade é um critério na captação de investimento.

    O Sporting abre portas para treinos abertos , podia e devia abrir o estádio aos adeptos.

    De resto não tenho mais nada a objetar.

    Nota para a turbulência criada com um mercado fictício de modo a desestabilizar a equipa para a Taça de Portugal , principalmente do jornal do Norte , que desprezou a entrevista do Presidente do SCP na sua capa.

    ResponderEliminar
  10. Anónimo,

    Não estou por dentro do regime da Guiné-Equatorial (é uma ditadura militar, creio. Não é?). Sei o suficiente para não gostar e, mais, ficar apreensivo.

    Ainda assim, o exemplo do Azerbaijão não é (muito) melhor, e o Atl. de Madrid continua a lucrar com o patrocínio daquele País.

    Acrescentando, os regimes capitalistas do Qatar ou do Dumbai também não são ideais, apesar de, aqui, a vertente seja "apenas" o capitalismo exacerbado. Neste âmbito, nada é, porque os Países dispostos a investir neste tipo de acções são muito poucos e pouco recomendáveis.

    Mas, imaginemos, entre um patrocínio de uma marca de renome que nos dê 3M €/ano ou um patrocínio de um País desta índole que nos dê 6M €/ano (por absurdo comparativo), qual seria o melhor para o Clube?!

    push31,

    É uma especulação lógica, mas ainda assim só mais uma "mera" especulação. Quer-me parecer que o aproveitamento da formação - por assim dizer - vai ser maior na próxima época, sim, mas também não tão expressivamente como você diz...

    m1950,

    O simples facto de BdC ter dito o que disse, quanto ao que refere no seu 1.º parágrafo, também pode ser já tendo em conta futuros negócios. Ou seja, não os publicitar, por forma a não os perder ou poder renegociá-los em melhores condições. É matéria ambígua, nesse aspecto.

    Para os treinos abertos em Alvalade, só se abre parte da bancada, e com tudo o resto fechado. Não tem a mínima comparação com a envergadura de um evento como o que o Sporting CP idealizou, para a Final da Taça.

    Quanto às notícias especulativas de mercado, já sabemos com que podemos contar. Ou, se não sabemos devíamos saber...

    E quanto ao Jornal O Jogo também: até há uns anos atrás, era, dos 3 jornais desportivos, o que eu mais considerava (apesar da conotação portista), porque era o mais distante e mais objectivo possível. Hoje, o Jornal O Jogo transformou-se, novamente (é cíclico) num orgão semi-oficial do Clube do regime Nortenho, com tudo o que isso significa.

    Fracos dos homens que vendem os seus princípios, porque não são homens mas sim bugigangas baratas...

    ResponderEliminar
  11. Caro Mauro,

    Obrigado pelo elogio, que retribuo!

    Confesso que a questão do MS a mim me dói por gostar do treinador e da direcção: no fundo, queria que as coisas corressem bem. Contudo, partilho as críticas que p ex o Honoris deixa ao modelo de jogo. Gostava mais da proposta que o MS nos deu, do que a que concretizou.

    Quanto aos bilhetes, claro que podem sempre ir para a bancada mas o bilhete relvado custar mais que o proprio jogo. Ainda assim, é um questão de lana caprina.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. Caro Mauro

    fica difícil comentar quando se concorda a 100%. Exceptuando a "situação" de Marco Silva abordas toda a actualidade leonina e com rigor.

    fico muito triste ler opiniões em blogs que já respeitei imenso só por que não gostam da pessoa entram em ataques ridículos. Ao que parece agora existe dinheiro limpo e dinheiro sujo...enfim.

    Claro que o nosso presidente também falha e comete erros. Se não o fizesse seria um Deus. O que sei é que estamos no bom caminho e a recuperar o clube e chegar aos patamares que tanto merece.

    AC1906

    ResponderEliminar
  13. Não é fácil comentar um post desta natureza.bem escrito como é habitual pelo seu autor,pecando talvez por abordar de uma só vez vários assuntos da atualidade Leonina.
    Mas depois de uma entrevista do BDC e de vários assuntos que que vieram á baila,uns baseados e situações concretas,outros baseados em especulações da comunicação social,é com alguma lógica que autor do post tenha sentido necessidade de abordar diversos temas num só post.

    Em relação á entrevista que o BDC deu,eu sou franco,gostei.esclarece dentro do que é possivel ser dito,os simpatizantes do sporting acerca dos temas que fazem a actualidade do sporting.espanta me é que haja ainda malta,que insista em dizer que o BDC dá "entrevistas" a mais...mas se ele não as desse,estava meio mundo incomodado com a falta de informação por parte do clube.

    Em relação ao empréstimo obrigacionista,nem sequer tenho comentários,muito menos criticas a fazer.há necessidade de o fazer para pagar um anterior que a direção que precedeu a atual contraiu.Não sei é se a direção anterior tivesse continuado,se conseguiria arranjar forma de pagar o empréstimo obrigacionista que esta direção tem agora de pagar.

    Pavilhão-perante o que já se sabe e são dados concretos,burra seria esta direção se aceitasse continuar a trabalhar com a Somague.se isso acontecesse tenho a certeza absoluta que lá viria outra vez meio mundo acusar esta direção de ser fraca e de colaborar com situações ou formas de actuar pouco ou nada "ortodoxas"...mas quando vão perceber e aceitar que esta direção não pactua com acordos "camuflados" que prejudicariam o sporting!?

    Orçamento-sem comentários a não ser repetir o que BDC já disse:"se nem sequer ainda sabemos em que competição europeia vamos jogar,como poderia já estar definido o orçamento?"
    Novos financiamentos;Naming da academia,do estádio,patrocinios diversos...é tudo uma incógnita ainda.é uma incógnita porque as negociações em relação ás situações que acabei de mencionar,sobretudo o Naming do estádio e da Academia,serão de análise muito delicada...muito complexa...entendo por isso que em relação a este tipo de receitas BDC não diga para já nada de concreto porque não pode ainda...apesar de eu pensar que existiram de certeza negociações em curso...no tempo e na forma certa saberemos,esperando que nada disto tenha a ver com...a guiné.

    Em relação ao Marco silva e ao titulo do pasquim a bola,porra,com um titulo daqueles fiquei a pensar,quem teria ligado 1º para o pasquim em causa,o Marco silva ou o BDC lol?

    N tenho mais nada a comentar pra já.

    Anibal777

    ResponderEliminar
  14. Mais um post com conteúdo e que resume alguns episódios importantes da vida do nosso clube, escrito pelo "nosso camilo lourenço". Recorrer a um empréstimo obrigacionista é uma decisão lógica, uma vez que a torneira BES/MILLENNIUM fechou-se. Quanto ao patrocínio das camisolas ser feito por um país, não me choca, até porque a guiné equatorial faz parte, há pouco tempo, é certo, da CPLP e o que conta é ter dinheiro em caixa para pagar ordenados. O roer de corda com a somague só tem um culpado, a somague, que pensava estar a realizar uma parceria público-privada, com 100% de lucro, pois, seriam os do costume a pagar a derrapagem. Os orçamentos são para cumprir, não é fazer, como já me fez um canalizador. Primeiro, fez-me um orçamento baratucho, de 450 euros, depois, no fim, disse-me que teve que gastar um bocadinho mais nos materiais, e que eu tinha que pagar 815 euros. Quanto à ideia do picnic, para angariar verba para a construção do pavilhão, sempre gostei de ideias originais e esta não foge à regra. Uma vez, na universidade, numa assembleia geral de estudantes, decidimos trazer 2500 ovelhas para dentro do campus, de forma a bloquearmos o seu funcionamento regular e assim continuarmos a nossa luta contra o aumento de propinas. Apesar de termos aprovado esta medida, não a implementámos. Espero que haja adesão maciça aos picnics por parte de sócios e adeptos, e que não seja um fiasco como foi a nossa medida dos 2500 carneiros.

    Saudações verde e brancas,

    setaverde

    ResponderEliminar
  15. HerrFlick15/5/15 01:51

    Excelente resenha da actualidade do clube. Para quem, como eu, esteve noutro mundos nos últimos dias, estas sínteses são preciosas para me porem a par do que se passa no clube.

    Em si, não me choca que as nossas camisolas publicitem um país interessado em receber turistas europeus. Neste caso, a minha preocupação é a possibilidade de o clube ficar associado a um regime autoritário especialmente violento.

    Abraço

    ResponderEliminar
  16. Quando li a afirmação do BdC sobre o Orçamento do SCP para a próxima época, achei-a a mais natural do Mundo.
    Esta época ainda não terminou, há jogadores que podem sair (e devem sair, quanto a mim) com grande peso no orçamento (Adrien, Capel), há vendas que se podem realizar com elevado retorno financeiro (William, Slimani) e desconhece-se ainda se o SCP conseguirá passar a pré-eliminatória de acesso à Champions, o que terá um grande impacto nas contas do clube.

    Normal, portanto, BdC dizer que ainda não sabe qual o orçamento do clube para a próxima época.
    Ora, quando conseguem fazer desta frase um motivo de discórdia e de ataque ao Presidente do SCP percebe-se a má-fé de quem o faz.

    Na questão do patrocínio das camisolas, o SCP não está em situação financeira que lhe permita ser esquisito.
    De qualquer forma, se a Guiné Equatorial tem critérios para integrar a CPLP, não pode patrocinar as camisolas de um clube de futebol porquê?
    Enfim, quando se está de má-fé, tudo é motivo de critica.

    E quanto ao abrir as portas de Alvalade para aí assistir à final da Taça, acho uma excelente ideia e uma forma de angariar mais uns cobres para os cofres do SCP.
    Quem não gostar da ideia que não vá.

    Jarvalho

    ResponderEliminar

O SVPN reserva-se ao direito de moderar sem aviso prévio, qualquer comentário abusivo/ofensivo ou insultuoso.

Qualquer comentário desenquadrado com o tema do post não será aprovado.

Para facilitar a discussão, agradecemos que assinem os comentários - quem não tem conta pode seleccionar o campo Nome/URL (o URL pode ser deixado em branco), onde podem assinar o vosso nome ou um qualquer nickname à vossa escolha!